quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Mangá do começo ao fim



Olá, para quem ainda lê isso aqui. :)

No ultimo post do ano, vou recomendar para vocês essa revista que comprei ontem na livraria Saraiva, por R$ 24,00. É um preço razoável, eu acho, para o que ela oferece.

Mangá do começo ao fim, da Discovery Publicações, traz um apanhado de informações históricas sobre os mangás, um pouco de cultura Japonesa, entre várias pequenas curiosidades. Desde o motivo pelo qual os mangás são desenhados com olhos grandes (não tem nada a ver com a "janela da alma", que eu sempre acreditei ser! haha), como o mangá influencia na economia japonesa, até o lado negativo do consumo desenfreado dos mangás no Brasil. BEM interessante mesmo. O autor, Sérgio Peixoto (jornalista, redator e editor) que trabalha nessa área há anos, explica de forma bem clara e objetiva como é o mundo dos mangás não só no japão, como no mundo todo. É uma espécie de guia para quem não conhece nada sobre o assunto; e para quem conhece, ainda pode descobrir algo que não sabia, pois a revista é bem completa. Não li a revista toda ainda, mas li o suficiente para ter me agradecido por não desistir da compra. T_T Não me arrependo mesmo. Além disso, como podem ver pelas imagens, todas as páginas são ricamente ilustradas. *_*

Enfim, feliz ano novo para todos! :)



quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Filme: Paprika 2006



Olá, Feliz Natal para quem ainda lê o blog. E para quem curte o Natal. Eu não curto, e desta vez resolvi bancar a ovelha negra da família, sendo a única a não participar da porcaria de jantar de Natal. Preferi ficar em casa vendo filme. E não me arrependo nem um pouco, porque Paprika é MARAVILHOSO. E é mais maravilhoso do que eu possa entender.

Saca só a sinopse: num futuro próximo, o Dr. Tokita inventa um poderoso aparelho chamado DC-Mini, que torna possível o acesso aos sonhos das pessoas. Sua colega, a Dra. Atsuko Chiba, psicoterapeuta e pesquisadora de ponta, desenvolve um tratamento psiquiátrico revolucionário a partir do aparelho. Mas, antes de seu uso ser sancionado pelo governo, o DC-Mini é roubado. Quando vários dos pesquisadores do laboratório começam a enlouquecer e a sonhar em estado de vigília, Atsuko assume seu alter-ego, Paprika, a bela detetive de sonhos, para mergulhar no mundo do inconsciente e descobrir quem está por trás da tragédia.

Tokita e Atsuko


O filme foi lançado em 2006 em animação, mas é baseado num romance de 1993, do japonês Yasutaka Tsutsui. Aqui no Brasil, ele foi lançado diretamente em DVD.

Bom, daqui em diante seguem minhas humildes observações a respeito do filme. Digo humilde porque ele é complexo, e não é para crianças. É um tanto psicodélico e cheio de referências, não apenas cinematográficas, mas também religiosas, históricas, políticas e psicanalistas. Fora as referências orientais que, eu, como ocidental, não tenho conhecimentos para reconhecê-los e compreender seus papéis no filme. Mesmo assim, não deixa de ser encantador. É um filme para quem gosta de observar e raciocinar, é um filme para os olhos e a mente, porque há muitas mensagens na tela. Vi-o apenas uma vez, e já digo com certeza que precisa ser visto mais vezes para poder captar todos os detalhes.

Pela sinopse, vocês devem pensar "opa, mas já vi isso antes". Antes, não, tecnicamente, já que o Paprika é quem veio antes. Vi o Inception (A Origem, em português) há um tempo atrás, e confesso que precisava vê-lo mais uma vez para entender bem a história, porque algumas coisas ficaram confusas na minha cabeça. Mas sem ele eu não teria entendido o Paprika como o entendi. Imagino que se eu tivesse feito o inverso, o mesmo teria acontecido. E esses dias, então, fiquei sabendo que ele era, na verdade, mais ou menos plágio deste.

Mas diferentemente do Inception, Paprika é muito mais mágico. Sim, eu diria que este é um filme mágico, recheado de efeitos fantásticos, fantasiosos, cheio de maluquices que podem nos confundir no início. No entanto, assim que você começa a entender o que está acontecendo, a coisa toma outras proporções. Ele se passa sempre nessa mistura maluca entre o que é realidade e sonho, do início ao fim. Uma hora, você está com os pés no chão, acordado, e, sem aviso algum, entra num sonho estranho, cheio de elementos, efeitos visuais, cheio de fantasia!

Paprika
Eu diria que aqui há 5 grandes personagens. A começar pela Paprika, que pode ser encarada como o alter ego da Dr. Atsuko. A personagem que dá nome ao filme, é uma espécie de Femme Fatale meio infantil. Ela é a materiliazação (no meio onírico) do que o que a Dr Atsuko queria ser, porque Paprika é livre, mais espontânea, mais alegre, mais expressiva, como o seu amigo de infância, o gênio e obeso Tokita. Ela é uma personagem "apimentada" (páprica é um tempero apimentado, de cor avermelhada, eis o seu cabelo e camisa e batom), interessante, ao mesmo tempo um tanto misteriosa. Ela é aquele tipo de mulher que chama a atenção.



No entanto, a Dr. Atsuko é seu oposto. Ela é apagada, discreta, embora muito inteligente, bela. Mas se mantém presa aos padrões japoneses da mulher madura e bem sucedida; aquela que é respeitável e respeitada, sempre certinha e séria. É vista como uma mulher fria, inexpressiva, presa na realidade. Aquela que mantém os pés sempre firmes. Mas ao mesmo tempo, ela parece ter as mãos atadas, sempre cautelosa, desconfiada.

Já o Tokita, o terceiro grande (não só em tamanho!) personagem, é o inventor por trás do aparelho DC-mini. Com sérios distúrbios alimentares, ele ainda possui um jeito tanto infantil no seu modo de agir e falar. Ele não gosta de enxergar a realidade, e se refugia em sua sala apertada cheia de máquinas eletrônicas, onde todas as suas engenhosidades são desenvolvidas. Ele vê a dr Atsuko como uma irmã, e a chama pelo apelido carinhoso de A-chan (o que reforça a sua imagem infantilizada, pela falta de profissionalidade dele em se referenciar colegas de trabalho). Mais para o final, ele aparece como sendo a chave para trazer a realidade de volta, que parece se distanciar cada vez mais. Ele se fecha em sua mente, em seus sonhos, mas se vê como um robô, aquela figura que representa tudo o que é automático e mecânico, comandado por outros.

Tem também o detevive Kogawa. Ele é outro personagem importante na história, pois, graças a ele, Atsuko é salva das garras do vilão ganancioso. Kogawa abre o filme com o seu sonho, pois ele é um paciente, que está experimentando o aparelho. Ele tem um problema; não consegue resolver um caso de assassinado, ao mesmo tempo em que não tira da cabeça um amigo da época do colegial. Juntos, eles sonhavam em desenvolver filmes. E assim, se passa os sonhos do Kogawa, entre cenas de filme que se misturam aos seus pesadelos do passado e problemas do presente. E é a Paprika quem, de certa forma, o salva. Ela é a sua musa, a sua mulher ideal, é quem o trata, e o faz enxergar a realidade e encontrar a sua outra metade.



E tem o Osanai Morio, colega de trabalho da Dr Atsuko e o Tokita. Talvez o mais complicado e complexo dos personagens, porque se sente inferior ao Tokita, inveja ele por sua genialidade, e deseja a Atsuko. De certa forma, ele também é meio infantil por manter essa visão de querer ser o melhor de todos — como crianças querem ser. Ele se une ao chefe de pesquisa (o careca, me esqueci o nome dele agora) que por uma paralisia não caminha, tornando-se, assim, a mobilidade dele. Osanai invade o sonho da Atsuko, e ainda a estupra de um modo bem estranho: enfiando a mão dentro dela (literalmente) a arrancando do alter ego da Paprika. Nua, não apenas em carne e osso, ela aparece completamente indefesa, sem a roupagem da Paprika que a protegia antes, e isso, de certa forma, o engrandece. E então, tem essa imagem de milhares de borboletas que saem de dentro dele, nesse turbilhão de caos. São suas emoções embaralhadas, alvoraçadas, confusas e perdidas. E ele não sabe mais o que fazer, não consegue se controlar, e se transforma num gigantesco monstro, causando um buraco negro no mundo.




Enfim, são personagens gente como a gente, todos com os seus problemas e ambições. Todos com os seus desejos de escaparem da realidade e se refugiarem em seus sonhos. Mas a realidade ainda é mais forte, e a tecnologia ainda é frágil.

É um filme que recomendo, e vai ficar entre os meus favoritos, sem dúvidas! Muito melhor que o Inception. Muito mais interessante, mais emocionante, mais inteligente. 

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Musica: Viktoria Modesta


Vocês já conhecem a Viktoria? Se não, sugiro que vejam esse vídeo agora mesmo!
Não tanto pela batida eletrônica, da qual ela abusa, mas pelo extraordinário fato de que ela é a primeira artista pop amputada!!! Uma inspiração, realmente!

Segundo o Borepanda, a cantora nasceu com o quadril deslocado e problema na perna, o que afetou muito sua vida social na escola. Submeteu-se a 15 cirurgias ineficazes, até que se mudou para Londres (ela nasceu na Letônia) na esperança de um tratamento melhor. Após os procedimentos ainda mais fracassados, ela finalmente convenceu os médicos a amputar a perna, o que eventualmente libertou-a de seus complexos e aumentou sua auto-confiança. hoje, com 20 anos, Viktoria tem orgulho das dificuldades pelo qual passou, encorajando todos a sempre seguir seus sonhos, não importa os obstáculos. :) Muito bacana, né?

Esse é o primeiro vídeo dela e, olha, ficou muito bonito mesmo. Inovação total, apesar da temática robótica/ futurista, misturada à estética dos anos 80 (?) não sejam lá muito novas...Já prevejo até que um dos próximos vídeos dela será com estética steampunk! Mas as próteses que ela usa são realmente lindas! *_* Acho que a Lady Gaga ficaria com invejinha, hein?! haha.




domingo, 21 de dezembro de 2014

Ao Haru Ride



Talvez alguns aqui já saibam, mas eu acabei de ler a notícia de que Ao Haru Ride será publicada pela Panini! A notícia me deixa muito feliz, porque acho que desde que Honey and Clover não temos um bom shoujo por aqui.

Para quem não conhece, aqui a sinopse:

Yoshioka Futaba tem algumas razões pelas quais ela quer “reiniciar” sua imagem e vida como estudante de colegial. Por ser ela é fofa, ela foi isolada pelas amigas no Fundamental, e por causa de um mal-entendido, ela não conseguiu ter os sentimentos correspondidos pelo único garoto que ela sempre gostou, Tanaka-kun. Agora no Colegial, ela está determinada a ser o mais “relaxada” possível para que suas amigas não fiquem com ciúmes dela. Satisfeita ao viver sua vida dessa maneira, ela reencontra o Tanaka-kun, mas agora ele está sob o nome de Mabuchi Kou. Ele fala pra ela que sentia o mesmo por ela quando eles eram mais jovens, mas que agora as coisas podem nunca mais serem as mesmas. Futaba será capaz de continuar seu amor, que nem nunca começou há três anos atrás?

Eu acompanhava o mangá antes mesmo de ter saído o anime, e pensei em escrever aqui um comentário sobre ele, mas por preguiça mesmo acabei deixando de lado. T_T

Amor, amizade, inveja e inseguranças... Eu resumiria a história com essas quatro palavras. A Futaba se relacionava com amigas falsas, que pouco se importavam com ela. Tinham inveja por ela ser adorada e popular. Então, com medo de perder as amigas, ela resolve meio que virar um ogro. Come por três, não se maquia, nem tem boas maneiras, e tudo para não se "sobressair" à suas "amigas". Mas o Kou percebe que elas não são lá grandes coisas (e acredito que ela também sempre soube, embora tentasse ignorar isso) e lhe diz na cara. Com esse "clic", ela resolve ficar sozinha. E por acaso, ela vai criando verdadeiros laços de amizade com outros colegas. Enquanto isso, Kou vai enfrentando seus problemas familiares, que o impede de se relacionar propriamente com seus colegas. Enquanto ela quer a todo custo manter amizades, ele prefere se afastar. Mas com jeitinho, ela consegue aproximá-lo aos poucos. ;)

Além do traço da autora ser maravilindo, a história é realmente cativante. Recomendo o anime (apesar de ele pecar em algumas cenas pela falta de movimentos sutis), ou para quem preferir aguardar a edição da Panini para ler *_*.



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...