quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Tomek Szczukiecki is Disturbed





Este é o modelo polonês Tomek Szczukiecki (acho que a pronuncia é "Scuquiéqui" ou "Zuquiéqui"), que é um dos que mais admiro (leia-se: babo). Além do rosto bonito, dos olhos azuis e cabelo longo, ele é eloquente e fala muito bem para um guri de 20 e poucos anos... Mas estou postando sobre ele porque achei um vídeo muito bonito que fizeram com o próprio. São imagens que mostram alguma pertubação do personagem que ele está interpretando, e os efeitos fotográficos do vídeo são bárbaros. Gostei bastante da seriedade dele no vídeo, que, aliás, está de cabelo curto... T__T

A legenda do vídeo diz:


"Infundido em um tom melancólico, Tomek Szczukiecki é uma alma perturbada em uma fantástica primavera / verão 2012 (lembrando que se trata de um anuncio sobre moda), que consiste em peças Z Zegna, concebido por Matteo Greco."

Seja o Herói de alguém


“Você pode ser o herói de alguém”, diz o anúncio que mostra o Homem-Aranha doando sangue, imitando aquele gesto que sempre faz quando lança suas teias.

Eu ainda não doei, por que tenho tatuagens e um recente piercing no nariz, que está me dando problemas. >__< Mas assim que tudo se resolver, pretendo convidar alguns amigos pelo facebook para fazermos a doação em conjunto. Essa é uma prática bacana, que uma colega de trabalho me indicou, e achei interessante de fazer. Acho que vale a pena tentar.
Mas para que não sabe, há alguns pré-requisitos para doar sangue. O site da Fundação Pro-Sangue traz essas informações:

Requisitos básicos
» Estar em boas condições de saúde.
» Ter entre 16 e 67 anos, desde que a primeira doação tenha sido feita até 60 anos (menores de 18 anos, clique para ver documentos necessários e formulário de autorização).
» Pesar no mínimo 50kg.
» Estar descansado (ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas).
» Estar alimentado (evitar alimentação gordurosa nas 4 horas que antecedem a doação).
» Apresentar documento original com foto emitido por órgão oficial (Carteira de Identidade, Cartão de Identidade de Profissional Liberal, Carteira de Trabalho e Previdência Social).


Impedimentos temporários
» Resfriado: aguardar 7 dias após desaparecimento dos sintomas.
» Gravidez
» 90 dias após parto normal e 180 dias após cesariana.
» Amamentação (se o parto ocorreu há menos de 12 meses).
» Ingestão de bebida alcoólica nas 12 horas que antecedem a doação.
» Tatuagem nos últimos 12 meses.
» Situações nas quais há maior risco de adquirir doenças sexualmente transmissíveis: aguardar 12 meses.
» Acre, Amapá, Amazonas, Rondônia, Roraima, Maranhão, Mato Grosso, Pará e Tocantins são estados onde há alta prevalência de malária. Quem esteve nesses estados deve aguardar 12 meses.

Impedimentos definitivos
» Hepatite após os 11 anos de idade. 
» Evidência clínica ou laboratorial das seguintes doenças infecciosas transmissíveis pelo sangue: Hepatites B e C, AIDS (vírus HIV), doenças associadas aos vírus HTLV I e II e Doença de Chagas.
» Uso de drogas ilícitas injetáveis.
» Malária.
* Hepatite após o 11º aniversário: Recusa Definitiva; Hepatite B ou C após ou antes dos 10 anos: Recusa definitiva; Hepatite por Medicamento: apto após a cura e avaliado clinicamente; Hepatite viral (A): após os 11 anos de idade, se trouxer o exame do diagnóstico da doença, será avaliado pelo médico da triagem.

Respeitar os intervalos para doação
» Homens 60 dias: até 4 doações por ano.
» Mulheres 90 dias: até 3 doações por ano.
Honestidade também salva vidas. 
Ao doar sangue, seja sincero na entrevista.

Seja um doador, e ajude a salvar vidas! :)

As fotos de Alexander Semenov



Alexander Semenov é um fotógrafo que uniu a paixão pelo mar com fotografia. Como mergulhador, o russo aproveita o momento de lazer para fazer belas capturas nas profundezas do mar gélido do Ártico. Confiram a matério que o site Ronaldo Livreiro traz: 
Delicadas e coloridas, as águas-vivas têm corpos quase translúcidos em forma de disco voador, com órgãos reprodutivos de cores fortes no centro.
Apesar de sua aparência delicada, elas são grandes predadoras, se alimentam de moluscos, crustáceos e vermes. As águas-vivas são encontradas no oceanos Atlântico, Pacífico e Índico. 
Semenov é chefe de uma equipe de mergulhadores da Estação Biológica no Mar Branco, a quase 15 quilômetros do vilarejo mais próximo. Ele faz fotos da fauna da região do Mar Branco há anos.  
"Muitos cientistas estão fazendo trabalhos empolgantes, mas não conseguem apresentar os resultados visualmente", afirma Semenov "Parte do meu trabalho é fornecer a eles o material ilustrativo, se elas acabam sendo fotos artísticas, então é legal."
O site dele, que vocês acessam clicando no link sobre o nome dele, traz mais trocentas imagens incríveis. :]












quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

O novo amor de Wolverine



Zero Hora divulgou hoje, apesar da noticia não ser tão recente assim, mais uma revelação homossexual dos quadrinhos. A bola da vez está com o X-men Wolverine — considerado um dos personagens mais "machos" da série. Para mim, essa revelação foi um tanto estranha, apesar de realmente não me lembrar de nenhum episódio dos X-men em que o Wolverine tenha se envolvido de alguma forma com alguma mulher.... Mas enfim, confiram a notícia:
Wolverine e Hércules vão protagonizar o próximo beijo gay nos quadrinhos. A cena aparece na edição número 10 de X-Treme X-Men, série da Marvel que traz tramas dos personagens em uma realidade alternativa. A novidade foi divulgada pelo site do jornal Huffington Post.Na página divulgada, aparece o texto: 
— Nós fomos os maiores heróis de nossos mundos. E no dia em que matamos o pior monstro que ameaçou o Domínio do Canadá, nós revelamos nosso amor. 
Vale lembrar que não é o primeiro relacionamento gay mostrado nos quadrinhos. Em janeiro, a Batwoman, da DC Comics, pediu a mão da namorada, Maggie Sawyer, em casamento. Antes disso, Lanterna Verde, criado há 72 anos, também assumiu sua homossexualidade. Mas o precursor foi o mutante Estrela Polar, em 1992.




terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Música # 33


























Acho que é a primeira vez que trago a indicação de uma música japonesa para cá... Na verdade, eu curto bastante o rock japonês, e não sei porque não fiz isso até hoje...Mas enfim, eu já havia comentado sobre a Chiaki sobre o post do Level E. Eu fiquei com essa música na cabeça, e usei ela para me inspirar enquanto reescrevia mais algumas partes do possível livro da Incógnita XD. 

A música se chama Cold Finger Girl, e pelo que entendi, ela foi gravada especialmente para o anime, e o vídeo abaixo mostra imagens dele. :3

Turma da Mônica Adulta



Parece que desde o ano passado, o tio Mauricio de Souza já falava numa versão adulta da turminha mais querida do Brasil. Alguns alguns torceram o nariz para isso, e com certeza mais alguns torcerão ao descobrir que o projeto está confirmado. Vejam abaixo a matéria que saiu na página da Folha.

"Estamos negociando com Walcyr Carrasco [escritor e autor de novelas da Globo] para fazer os roteiros da Turma da Mônica Adulta. Pelo brilho dos olhos dele, acho que aceitará", diz Mauricio de Sousa, "pai" da personagem.
A previsão é que as primeiras revistinhas da turma adulta cheguem às bancas daqui a três anos. "Ao contrário da Mônica clássica e da jovem, a versão adulta vai envelhecer com o público." Ou seja, vai ficar velha aos poucos. Mauricio espera que a nova aposta tenha o sucesso da turma jovem, que bateu 500 mil cópias por edição e, diz sua assessoria, é o gibi mais vendido do Ocidente. Após dominar o reino do Cebolinha, Mônica tenta ganhar o mundo.
Lembro que muita gente criticou a iniciativa da turma jovem, achando que seria a maior roubado do Mauricio, mas vejam só o sucesso que o cara fez! Bateu o recorde até mesmo das HQ's americanas! Tá faturando legal! Creio que ele sabe o que está fazendo, apesar de ter um pé atrás com o tio Carrasco. Mas achei a notícia em si muito bacana e ficarei aguardando por isso, de unhas roídas! É esperar para ver. T__T


Leia mais!


Só resta saber se essa informação realmente procede...

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Possibilidades: Capítulo 4

























Esse será o último capítulo que postarei aqui. Já estou finalizando o sétimo..acho que conseguirei seguir adiante com mais esse projeto. T__T



Possibilidades
.
Escrito por Amanur
.
Capítulo 4
.


“Sakura ficou o restante daquela semana infernizando o coitado do Cho, para descobrir sobre o paradeiro do Sasuke. O coitado não agüentava mais ouvir o nome do Sasuke. Mas ele não tinha tido a oportunidade de se aproximar devidamente do cabeludo mais insuportável do planeta, porque o Itachi simplesmente não permitia.

— E aí, cara, há quanto tempo você joga? — Cho perguntou, como quem não quer nada, na sexta feira daquela semana. Eles tinham terminado o treino, e foram juntos até o vestiário.
— Hum... Desde pequeno... — Itachi respondeu, enquanto tirava a camisa.
— Legal... Você joga muito bem. É de família? — Cho tirou a camisa suada também.
— Meu pai é fanático, mas é um perna de pau.
— Oh...
— Cara, mas você é gordo mesmo, hein?! Nunca pensou em fazer dieta? Você já deve sentir dores no joelho... Assim não vai poder jogar por muito tempo, viu?!
— É, é... Eu estou sabendo...

E então, a conversa morreu aí. O Cho nunca foi muito bom em conversar com as pessoas. E no fim, ele acabou desistindo de tudo. De ajudar a Sakura, e de jogar, inclusive. Ele me disse que realmente estava cansado demais, com dores, e não corria muito bem. Me veio com desculpas esfarrapadas de que era lento por causa do peso, mas eu sabia que ele se sentiu meio excluído do grupo de musculosos que estava lá naquele vestiário. Eu xinguei muito ele por isso, por que eu sabia que ele adorava se juntar com os amigos para uma partida. Todo fim de semana ele ia lá, quase que religiosamente.

Sinceramente, as gorduras a mais dele nunca me incomodaram, mas eu via que as vezes ele passava horas no espelho se olhando. Ele se comparava com os outros, e isso me deixava completamente sem saber o que fazer. Mas depois eu descobri que na verdade ele tinha sido, de fato, expulso pelo treinador.

É muito estranho, não? Até então, tudo estava bem, eles jogavam amistosamente, e nunca houve nenhum desentendimento, nenhuma reclamação por parte de ninguém. Então, o Itachi aparece e vem com um comentário besta daqueles, e pronto! Tudo acabado.

Alguma coisa estava acontecendo.

Mas o fato que é com a saída do Cho, o buraco no time ficou maior. Quero dizer, sem piadinhas com meu namorado, mas se antes eles já sofriam com a falta de jogadores, com sua saída, o negócio ficou pior.

A Sah ficou chateada com isso, mas até que levou tudo numa boa. Até demais, para dizer a verdade... Ela, sendo ela mesma, deveria ter xingado o Cho mais do que eu fiz. Mas ela apenas deu de ombros, dizendo “que pena, mas essas coisas acontecem mesmo”, e não falou mais no assunto.

Depois fiquei sabendo também que, na verdade, antes mesmo do Cho ter tido aquela conversa com o Itachi, na quinta feira pela manhã, ela pegou o skate para ir até o bairro vizinho para levar um pacote que meu pai havia lhe confiado à agência de correios. O dia estava tranqüilo, apesar dos carros loucos pelas avenidas... Mas isso nunca a impediu de se meter no meio do trânsito em seu skate. Ela deslizava feito uma cobra por entre os carros, se equilibrando com os braços abertos.

Ela fez a entrega na agência, conforme meu pai a instruiu — pagou pela postagem, e recebeu o recibo do pagamento. Na volta, ela resolveu pegar um caminho alternativo. Nisso, a danada foi correndo a mil pela rua asfaltada, uma descida, e acabou sendo atropelada por um ciclista. Ela voou longe, mas o cara conseguiu escapar da bicicleta sem se machucar. E ao vê-la caída no chão, ele correu até ela.

— Ai, meu Deus, mas que merda... Você está bem? — indagou o dono da bicicleta.

Sakura ralou os cotovelos e o joelho esquerdo. O hematoma na canela se formou na mesma hora. Ela deveria estar toda dolorida, mas só conseguia olhar para o cara a sua frente lhe oferecendo a mão para erguê-la do chão.

— Uhum. — resmungou, pegando na mão dele.
— Droga... Acho que quebrou uma das rodas do seu skate. — ele comentou, vendo uma rodinha longe da prancha.

Rapidamente, soltou a mão dele, e saiu catando as peças soltas para colocar a roda no bolso da bermuda folgada, junto com outra peça quebrada e um parafuso. E então, abraçada ao que restou do skate, ela encarou ele, sem acreditar que tinha encontrado Sasuke daquela forma. Ele estava com roupas de ciclista profissional mesmo, todo equipado com capacete, munhequeiras, joelheiras, roupa colada...

Mas claro que o rapaz ficou meio sem jeito pela forma como ela o encarava. Ele cerrou os olhos, meio desconfiado.

— Vooocêeeeeee... — ele parecia meio hesitante — tem certeza de que não está machucado? — perguntou.

E, então, aquele sujeito masculino dito pela boca dele foi o que fez tudo mudar. Ao invés de tentar corrigi-lo, ela apenas fez que não com a cabeça, e saiu correndo pela rua sem dizer mais nada. Assim, deixando o rapaz sozinho no meio da rua sem entender no que ela poderia estar pensando. Ele não fazia a menor idéia do que aquela maluca poderia estar arquitetando naquela mente perigosa que tinha, na verdade.

Quando chegou em casa, eu perguntei o que tinha acontecido, porque ela estava pálida e toda ralada, e ela disse sim que tinha sido atropelada por um ciclista, mas que estava bem... E só isso. Naquele mesmo dia, ela levou seu skate para concertar, e foi trabalhar como se nada demais tivesse acontecido.

Então, algumas semanas se passaram tranquilamente, tanto em casa quanto no restaurante. Num fim de semana, depois que Sakura tinha saído para dar as suas voltas de skate pelo bairro (aquela mania parecia ter virado costume para ela), o Cho apareceu me chamando para ir com ele no jogo dos amigos dele. Eu nunca fui muito com a cara daqueles almofadinhas, mas tentava não demonstrar isso para ele, porque eu não queria me impor demais na vida dele. E sei que muita mulher tenta dominar seus maridos... Bom, eu não queria ser como elas...

Então, eu fui com ele, já que ele também cedia muita coisa para mim (como ir ao cinema para ver filmes do tipo Crepúsculo!).

Entramos no fusca depois da uma da tarde, e fomos até o estádio. Como sempre, as arquibancadas estavam praticamente fantasmagóricas. Havia no máximo uma dúzia de pessoas sentadas na frente, comendo pipoca. Eu até que estava relativamente empolgada por estar ali com o namorado, porque geralmente, quando a Sakura não queria me acompanhar nem pagando, eu ficava sozinha... Então, sim, eu até estava satisfeita. E o Cho também, porque havia um tempo que ele não via os amigos, e tal...

Então, na hora de começar o jogo, os rapazes entraram em campo, e começaram a chutar a bola para todos os lados como manda o figurino. Para dizer a verdade, eu não estava muito atenta ao jogo, mas olhava para o campo distraída com a cabeça em outro lugar. Acho que eu estava me lembrando que era dia de promoção em algumas lojas do centro, e eu estava de olho em alguns sapatos... Enfim, lá pelas tantas, alguém faz gol e o Cho berra no meu ouvido.

— É GOOOOOOOOOOOOOOOOOOOLLLLL!!!!  — dentre todos que estavam nas arquibancadas, ele era o único a vibrar. Mas só assim, para me fazer cair de volta à realidade, e ver que foi o próprio Sasuke quem tinha chutado a bola, e agora corria para o abraço pelo campo.
— Chouji, mas aquele é o Sasuke! — eu puxei a manga da camiseta dele, para voltar a se sentar ao meu lado.
— Hum... É mesmo? O cara é bom, como o Itachi...
— Tem certeza de que ele não estava presente nos outros dias em que você jogou? — perguntei, enquanto procurava pelo meu celular na bolsa.
— Tenho. Ele é novo no estádio, com certeza. O cara tem presença, eu teria notado.
— Uhum...

Imediatamente, comecei a digitar uma mensagem para a Sakura.

“O Sasuke está jogando. Venha!” — aquilo deveria bastar para ela vir voando feito um foguete.

 No final do primeiro tempo, a turma dele, que jogava contra um outro timeco sem futuro da cidadezinha vizinha, saiu ganhando por 1x0. O intervalo durou trinta minutos, e nada da Sakura responder ou mesmo aparecer. Eu roia as unhas, enquanto Chouji se empanturrava de pipoca que tinha ido buscar na rua durante o intervalo.

Mas foi quando eles voltaram para o campo que a surpresa apareceu. Meus olhos quase saltaram da cabeça, e o Cho quase derrubou seu balde de pipocas no chão.

A cretina estava lá.
Entre os rapazes.
Jogando bola.

— MAS COMO DIABOS ELA FOI PARAR ALI? — berrei mais alto do que deveria, e alguns dos jogadores até me olharam. Menos a maldita.
— Que legal, a Sah vai mesmo jogar! — o idiota exclamou. Eu belisquei o braço dele, porque  ele não deveria apoiá-la nisso. Quero dizer... Será que ela não estava indo longe demais?

E o pior é que ela mandou muito bem na quadra! Fez mais dois gols durante o resto da partida. Bom, eu sabia que ela era boa no esporte, apesar de ter ficado anos sem praticar. Mas jamais imaginei encontrá-la ali, no meio daquele “macharedo” todo! 

Enfim, antes do segundo gol do time veio o momento mais crucial daquela partida.

O time adversário começou o segundo tempo com vantagem, fazendo dois gols um atrás do outro, deixando o placar para 1x2. Aí, Sakura fez o seu primeiro gol, e todos comemoraram o empate. Eu fiquei meio aturdida com tudo aquilo, minha cabeça não funciona muito bem para esportes... E de repente, quando me dei conta, ela estava correndo atrás daquela bola como se sua vida dependesse daquilo. Mas não era a bola redonda preta e branca que corria pelo gramado daquele campo de futebol. Estou falando da bola que um cara chato do time adversário escondia entre as pernas.

Pois é. Ela era a artilheira do time, e o cara estava fazendo marcação acirrada nela. Até aí tudo bem. Mas quando o cara deu aquele carrinho de propósito para derrubá-la (ela chegou a ralar os cotovelos já ralados pelo acidente de skate) e ainda a chamou de bixa, nossa!, Sakura virou um animal correndo atrás de sua presa. Ela simplesmente deixou o jogo de lado para sair atrás dele com todas as sua forças, vigor e energia, deixando os dois times parados no meio do campo os observando.

Foi um vexame total, mas o que mais, alguém com sangue quente, pode fazer em situações como essas? Ele a provocou, e eu imagino que ela já estivesse bastante estressada e nervosa com um monte de coisa que borbulhava na cabeça. E ainda tinha aquele sol desgraçado, queimando o couro cabeludo e fritando os neurônios. O infeliz simplesmente resolveu pegá-la no pior dia!

O cara corria como um rato amarelo, todo borrado de medo, enquanto ela avançava cada vez mais para perto do maldito como um leão faminto. Ela estava furiosa, louca para arrebentar a cara dele. 

Até que Sasuke pulou em cima dela, lhe derrubando no gramado. E ela nem tinha visto desde quando ele começara a correr atrás de si, para detê-la...

— Acalme-se! O cara estava apenas querendo a bola, não a briga! — ele lhe disse.

Os dois foram ao chão como duas panquecas. Mas o peso dele sobre o seu corpo a impedia de se mover e desfigurar a cara do cretino.

— Me solte agora, ou arrebento a sua cara também, Sasuke! — esbravejou, se debatendo contra ele e a grama. Ela estava tão brava que socaria qualquer um, até mesmo ele. E enquanto isso, o outro continuou fugindo em direção ao juiz, e foi se esconder no vestiário do clube. Tsc!
— Você não está pensando direito, e vamos ter que cancelar a partida se você fizer alguma merda, Haruno.

Aí, ela parou de se debater.

— Tá, me solta. — afinal, não podia negar que ela tivesse dado a alma por aquela partida, e não iria pô-la em risco por causa de algum babaca sem culhões. E ainda estavam no segundo tempo, prestes a acabar o jogo, e precisavam de apenas um ponto para vencer aquela partida. Não valeria a pena arriscar tudo por um idiota qualquer.

Eles se levantaram do chão, e o cara que apitava a partida chamou outro em reserva para substituir o rato medroso. A bola começou com o outro time, e um cabeludo chamado Neji, do lado deles, conseguiu marcar o cara que estava com a bola, tomando-a para si. Ele correu com todas as forças em suas pernas, deixando a bola rolar, até conseguir fazer o passe e a bola parar nos pés de um tal de Kiba.

Kiba teve que driblar e voltar alguns passos para trás, longe da goleira, e então passou a bola para a Sakura. Ela correu feito louca pelo campo com a bola nos pés, e chegou a centímetros do gol, mas como o cara não ia deixá-la chutar dentro, passou para o Sasuke, do outro lado, e ele chutou a bola na fé.

Todos viram aquela cena com os corações nas mãos. A bola voou com força total, fez a pequena curva, mas bateu bem no meio da trave. O goleiro tinha se espichado todo, e desviou a bola do gol, mas ele se espatifou no chão como uma banana. Nisso, Sah aproveitou para avançar, e pegou a bola no ar com um carrinho muito bem dado.

Foi golpe de sorte, mas a bola finalmente entrou, sem obstáculo algum, e ela fez o seu segundo gol daquela partida.

— Gooooooooooooooooooooooool! — Sasuke berrou. Feliz, ele foi correndo em sua direção, e a ergueu do chão num abraço mais apertado do que ela realmente aguentava. Mas ela não reclamou, vendo o restante do time se aproximar para aquele abraço comemorativo.

O time adversário, no entanto, ficou a ver navios, de cara emburrada, por que marcaram os pontos que precisavam para ganhar a partida.

O grupo caiu no chão, ainda vibrando a vitória nas gargantas. Algumas daquelas poucas pessoas que assistiam aquela partida nas arquibancadas também comemoraram. Entre elas, eu e Chouji berravam seu nome até perdermos a voz, mais animados do que deveríamos estar, é claro. Foi uma partida emocionante. Pelo menos, para nós dois, por vê-la ali.

Sakura finalmente nos viu, e acenou para nós, sorrindo de ponta a ponta. Nós acenamos de volta, prorrogando o sermão para mais tarde. Seu sorriso estava dividido entre duas felicidades: a de ter ganhado a partida, e de ter conseguido entrar naquela partida...

Sasuke lhe deu tapinhas do ombro, e foi grudado nela até os chuveiros, com o braço em volta do seu ombro.

—... Sério, achei que você ia quebrar o quadril com aquele voou que você deu, cara! — ele lhe dizia.
— Puta merda! — Neji exclamou, do seu outro lado — Tá brincando? Eu gelei! Achei que ele ia se quebrar todo! 
— Ainda bem que você é pequeno... Se fosse maior, como esse aí — Sasuke apontou para o cabeludo, que sorriu em resposta — Talvez o estrago teria sido maior.
— Eu jogo desde pequeno, não se preocupem. — o mais interessante de tudo, foi que até mesmo o tom de voz, ela conseguiu alterar um pouco para parecer mais masculino. Ela simplesmente pensou em todos detalhes.

Enfim, ela deu de ombros, como se aquilo não fosse nada demais. E não era, realmente! Ela não estava mentindo quando dizia que jogava futebol desde pequena. Como eu já disse, ela tinha treze anos quando entrou para o clube de futebol feminino da escola como artilheira do time. A mãe dela já estava muito debilitada por sua doença, e chorava à noite pelo seu sonho de bailarina profissional que a Sah assassinava sem dó nem piedade. Naquela época, elas já brigavam muito pelo seu futuro que a senhora Haruno queria dominar com as mãos. Hoje penso que ela apenas queria o seu bem, e assegurar de que Sakura tivesse um bom futuro como adulta, e não esse fracasso em que se tornou... Quero dizer... Há mais para ser contado nessa história... Mas o que passou, passou, e só lhe restava enrugar com suas lembranças... A mãe dela guardava grandes expectativas para Sah, enquanto tudo o que ela queria era contrariar seus desejos por pura birra. Na verdade, a Sah já começava a ver os problemas de família que sua mãe enfrentava, e se achava no direito de poder escolher o que queria para si mesma. Grande bobagem!, porque ela não previa o futuro, mas sua mãe, por ser mais experiente, o previa muito bem. No entanto, ao invés de ouvir seus conselhos, Sakura passava as tarde andando de skate com seus vizinhos, e conversava apenas com os meninos. O que era estranho, pensando melhor sobre o assunto. Ela se dava muito bem com os meninos, e se julgava boa entendedora do sexo masculino; mas, nunca se relacionou muito bem com eles.

Enfim, ali estava ela, na história de sua vida, rodeada pelo sexo masculino. Não como ela realmente queria, entretanto.

Ela parou congelada quando viu Kiba passar completamente nu. Não que ela nunca tivesse visto um homem nu, mas a situação bizarra a fazia corar pela falta de vergonha na cara. Então, baixou os olhos para fitar os seus pés, percebendo que Sasuke e Neji já estavam tirando as roupas sujas de grama, suor e vitória, também.

Eles não disseram mais nada, e cada um foi para baixo de um chuveiro. De mansinho, como quem não quer nada, ela pegou sua mochila do armário, e ainda pôde dar mais uma checada na traseira do Sasuke, sem acreditar no que seus olhos viam.

Ele tinha se tornado um homem e tanto. As costas largas dele pareciam lhe convidar para abraçá-las, mas se conteve bravamente. Afinal, todos achariam estranho um rapaz abraçar outro por trás, daquele jeito...

Ela jogou a mochila no ombro e deu as costas.
Mas ao chegar na porta de saída, deu de cara com um loiro a encarando. Ele estava a observando o tempo inteiro, das arquibancadas, desde que pôs os pés no gramado. E ali ele tinha aquele olhar; o olhar de quem desconfiava de algo.

— Não vai tomar banho? — lhe perguntou.
— Não... Esqueci-me de trazer uma toalha. — argumentou.
— Hum...

Sem mais, com um meio sorriso forçado, saiu dali o mais rápido que pôde.

E, então, ela nos encontrou no estacionamento a esperando. Nós dois de braços cruzados e cara de poucos amigos.

— Espero que você tenha uma boa explicação para o que fez hoje, senhorita Sakura. — eu resmunguei entre os dentes.”

Anime: Level E



Título: Level E
Título em Japonês: レベルE
Ano: 2011
Diretor: Katou Toshiyuki
Estúdio: Studio Pierrot, David Production
Episódios: 13
Gênero: Aliens / Ficção Ciêntifica / Comédia / Shounen


Sinopse: Do mesmo autor de YuYu Hakusho e Hunter X Hunter. A Terra foi povoada por milhares de extraterrestres de toda galáxia.Ouji, príncipe do planeta Dogura, cai aqui na Terra e perde sua memória. Ele encontra Tsutsui e conta achar que era um alien,Tsutsui não acredita mas curioso resolve entrar no jogo do Ouji e acaba vendo que Ouji era realmente um alien.

“Nesse exato instante, há milhares de alienígenas entrando e saindo, levando uma vida tranquila na Terra. Espécies pacíficas, espécies agressivas, espécies à beira da instição .. Alienígenas de todos os tipos, desde envolvidos em intrigas internacionais, a crimes comuns, pesquisadores, cada qual com seu interesses diversos. Eles convivem conosco, mantendo um intrincado equilíbrio, e os únicos que não percebem, são os humanos.” — esse trecho acompanha todos os episódios.

Bom, não preciso dizer que o que me chamou atenção para esse anime foi o loiro cabeludo da capa, né? XD E temos dois cabeludos, para compensar o besteirol que vinha pela frente. Pela sinopse, achei que haveria algo mais interessante, mas o anime conta uma historia diferente a cada dois ou três episódios envolvendo o príncipe maluco..

Enfim, Tsutsui é um adolescente japonês que se muda de Tóquio para uma cidade do interior para estudar em um bom colégio que se interessou por ele (que joga basebol). Feliz da vida, por iniciar uma vida de independência, morando sozinho, o guri se assusta com a presença de um estranho de cabelos loiros em seu quarto, usando suas roupas, e que ainda se diz ser um alienígena sem memória! Imagine só!

Um pouco (mas só um pouco!) sensibilizados pela história do alien, Tsutsui e a sua vizinha Miho, filha de um cientista que estuda UFO's, vão atrás de informações para descobrir a identidade do ET, por que não aguentam mais o comportamento bizarro e bipolar do loiro. Tsutsui, principalmente, fica louco para mandá-lo de volta para o seu planeta e fazer com que ele pare de atazanar sua vida com as piadas sem graça do príncipe maluco.

Depois, então, outros aliens vão atras dele, em busca do príncipe que, mais tarde, descobre ser o mais perverso do universo. Mas engana-se quem acha que a perversidade dele seja maligna! Ele apenas fica entediado facilmente, e bolas estratégias mirabolantes para se entreter à custas dos outros.
Sinceramente, eu achei que eu não iria conseguir ir até final, mas consegui. Realmente me diverti com as caras e bocas dos personagens.

E então, temos o Craft (o cabeludo moreno), que é um capitão do Exército Protetor Real, está no seu 10º ano no exécito. Seu objetivo primário é proteger Ouji, mas acaba entrando numa missão de proteger a Terra também. Ele conta com a ajuda de mais dois aliens: Sado (5º ano no exécito) e Colin (1º ano no exécito). O Craft é outro personagem que diverte bastante com seu temperamento de pavio curto, e não aguenta o príncipe caprichoso também.
Apesar de um tanto quanto egocêntrico, é incrível como o protagonista consegue conquistar, mesmo que nos dê vontade de esgoelar ele, em diversos momentos! Ele usa e abusa de tudo e todos ao seu redor, mas na verdade ele é muito esperto! Faz o que a maioria das pessoas, e o próprio Tsutsui, quer fazer: realizar tudo aquilo que ele tem vontade. E por isso, o príncipe e o jogador de beisebol são dois lados de uma mesma moeda: eles querem a mesma coisa — liberdade —, mas o modo como eles lidam com suas responsabilidades é o que faz com que eles entrem sempre em conflito, fazendo de Miho e Craft de gato e sapato! E o príncipe não deixa barato nem para crianças — que usa mais tarde em seus planos!

Eu já assisti outras comédias, mas nada parecida com essa. A mistura de elementos do terror, suspense, romance, esportes e comédia sem deixar que o ambiente shonen se perdesse durante a trama além de enriquecer a obra, torna ela única, por mais incrível que pareça. A presença delas não faz com que uma sobreponha a outra, mas com que complemente de forma criativa o que cada gênero pode oferecer para a história. Apesar do clichê do sangue azul, isto é...

De qualquer forma, assistir Level E foi uma experiência única por abrir a mente para novas perspectivas que a grande maioria das histórias sobre aliens carecem. Eu achei que haveria muita luta e drama, mas não! Houve episódios que realmente me surpreendeu com a temática que trazia. A questão do acasalamento inter-racial, o homossexualismo (e transexualismo — num episódio aparece uma garota que queria ser menino, e o próprio príncipe se veste de mulher em outro), e o fato de que humanos possam conviver pacificamente com outros seres foram um dos elementos surpresa que encontrei. Por que a maioria fala sobre guerras, planos para dominar o planeta, e coisas do gênero...

Mas como eu ia dizendo, o inicio dele foi bastante promissor. E confesso que me assustei ao descobrir que o enredo durava apenas uns três episódios, para depois mudar de história. No total, temos em torno de sete contos que vão se ligando com o passar dos capítulos. E me surpreendi na medida em que novas situações foram apresentadas e resolvidas pelo autor, de maneira tão mirabolante. Eu recomendo para quem gosta de comédias! :D

Ah, não posso deixar de falar sobre o vídeo de introdução! A música é perfeita, e o estilo das ilustrações, meio art-pop, ficou muito bacana. E descobri que a música, Cold Finger Girl, é cantada pela maravilhosa Chiaki Kuriyama!!! A mesma atriz que interpretou a Gogo em Kill Bill! XD
























Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...